De onde vem os Capítulos?

ORIGEM DOS CAPÍTULOS

A primitiva experiência da forma de vida proposta por Francisco aos seus frades reclamava, espontaneamente, a realização do encontro fraterno, como exigência intrínseca. A reunião que concretiza esse encontro está na origem daquilo que mais tarde haveria de ser denominado de Capítulo.

Tomás de Celano atesta o fato com bastante clareza na Primeira Vida de São Francisco ao se referir às fases das duas originais e famosas reuniões da primitiva fraternidade franciscana.

Assim é descrita a primeira reunião: “Quando a Fraternidade tinha atingido o número de oito frades, “São Francisco chamou-os todos a si e, tendo-lhes falado muitas coisas sobre o Reino de Deus, o desprezo do mundo, a abnegação da própria vontade e a mortificação do corpo, separou-os dois a dois pelas quatro partes do mundo, e lhes disse: ‘Ide, caríssimos, dois a dois, por todas as partes do mundo, anunciando aos homens a paz e a penitência para a remissão dos pecados…’.”

A segunda reunião é descrita nestes termos: “Pouco tempo depois, São Francisco desejou revê-los e orou ao Senhor, que congrega os dispersos de Israel, que se dignasse reuni-los outra vez em pouco tempo. Assim aconteceu que, bem depressa, de acordo com sua vontade e sem que ninguém os chamasse, eles se encontraram dando graças a Deus. Reunidos, manifestaram a sua grande alegria por rever o piedoso pastor e se admiraram de terem tido todos o mesmo desejo ao mesmo tempo. Contaram depois as coisas boas que o misericordioso Senhor lhes tinha feito e pediram correção e castigo ao santo Pai pelas negligências e ingratidões que pudessem ter cometido, cumprindo-os diligentemente”.

Comentando o fato, Celano assim se exprime: “…era isso que costumavam fazer todas as vezes que chegavam a ele… então o bem-aventurado Pai, abraçando seus filhos com muita caridade, começou a manifestar-lhes seu pensamento e o que o Senhor lhe havia revelado”(1Cel 29;30).

Fácil detectar nas duas descrições o significado fundamental do encontro fraterno que caracterizava as respectivas reuniões. Vemos facilmente presentes os temas da formação espiritual, da organização da vida em comum e da vida apostólica. Por tais razões, essas reuniões se tornaram modelo de todas  as subsequentes reuniões fraternas e capitulares.

A reunião comunitária torna-se logo expressão normal do desejo de comunhão que animava os frades que “tendo desprezado todas as coisas terrenas e estando livres do amor-próprio, consagravam todo o seu afeto aos irmãos, oferecendo-se a si mesmos para atender às necessidades fraternas. Reuniam-se com prazer e gostavam de estar juntos”(1Cel 39).

O aguçado senso de fraternidade que se respirava na nova forma de vida religiosa tinha criado estrutura expressiva na reunião fraterna. No início, tendo excluído de sua forma de vida a stabilitas loci, característica das ordens monásticas, os frades viviam, na reunião fraterna, válido instrumento de expressão e consolidação de sua comunhão de vida consagrada ao seguimento de Jesus Cristo.

Os Capítulos franciscanos são um singular exemplo de expressão do espírito da fraternidade que é característica da Ordem no plano geral, provincial ou conventual e das modalidades de vida comunitária próprias destes diferentes níveis. Eles fazem parte do patrimônio espiritual da Ordem e precisam ser valorizados e realizados segundo o espírito que presidiu sua instituição.

Fonte: Dicionário Franciscano

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *